Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Março 2012

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031


Pesquisar

 


Mente humana precisa ser reeducada para o sucesso

Segunda-feira, 19.03.12

Por Vanessa Rtizel* | INCorporativa

A mente humana está o tempo todo procurando formas de economizar energia e uma das principais maneiras é transformar a rotina em hábito. Os hábitos permitem que a mente opere de forma automática, num modo menos acelerado, e que exige menos energia. Por conta disso, as pessoas costumam agir sempre da mesma maneira e erroneamente, esperam soluções diferentes. 

Para ensinar a selecionar os hábitos ruins dos bons, a especialista em potencial humano, Vanessa Rtizel, pesquisadora e terapeuta há mais de 10 anos, explica que para resolver algum tipo de problema o primeiro passo é diagnosticar como funciona a mente humana, aprender onde estão os hábitos ruins e só depois, mudá-los.

Lidar com as emoções é bem mais simples do que se imagina, tudo que o ser humano sente são reações da interação com a realidade e uma programação universal da mente humana. “Quando um hábito está em ação, a mente para de participar de decisões e fica no modo automático. Este hábito vai permanecer a menos que seja adotada uma nova rotina que com o tempo se transformará em um novo hábito.” – resume a especialista.

Todos os hábitos possuem estruturas que são divididas em três elementos: Estímulo, rotina e recompensa. A principal regra é manter o estímulo e a recompensa, alterando apenas a rotina. Para isso, Vanessa ensina como identificar estrutura de qualquer hábito, através de quatro passos:

- Identificar a rotina: aquele comportamento que a pessoa deseja modificar;

- Descobrir a recompensa: aquilo que fez a pessoa adotar determinada rotina;

- Determinar o estímulo: através de um questionário adotado por psicólogos para lidar com testemunhas de crimes e análises funcionais é possível conhecer o gatilho que desencadeia o hábito;

- Aplicar um plano para modificar o hábito.

Exemplo: Uma pessoa que tem o hábito de viver a vida do seu parceiro e esquecer-se de si mesma.

- Estímulo: estado emocional de carência.

- Rotina: Fazer tudo o que o parceiro deseja.

- Recompensa: Se sentir segura e amada.

Como mudar esse hábito? Mantendo o estímulo e a recompensa. Ou seja, toda vez que a pessoa se sentir carente ela deve adotar uma nova rotina que a deixe segura e amada, como sair com os amigos, família, dedicar um tempo para investir em si mesma, etc. Com o tempo toda vez que ela se sentir carente e passar a praticar as novas rotinas, este hábito de viver a vida do parceiro será alterado e o novo hábito será programado na mente.

Através deste método, Vanessa Rtizel consegue entender as emoções predominantes e apontar quais são os hábitos negativos e os positivos, auxiliando que as pessoas conquistem uma nova maneira de interagir com o mundo. “Todas as pessoas bem sucedidas possuem hábitos similares, isso é comprovado por inúmeras pesquisas e tenho certeza que chegou à hora de ajudar as pessoas a se tornarem melhores em todos os aspectos da vida: sentimental, profissional e financeiro” – garante Vanessa Rtizel.

A especialista conclui que ao analisar uma série de equações das emoções é possível entender como surge cada emoção e os pontos chaves que precisam ser trabalhados, bem como os hábitos que devem ser eliminados ou reforçados.

*Sobre a autora: Vanessa Rtizel - Especialista em potencial humano, pesquisadora e terapeuta há mais de 10 anos, Vanessa Rtizel é também modelo internacional há mais de 16 anos, o que contribuiu para conhecer e estudar diferentes culturas, já que morou em diversos países como Argentina, Chile, Londres, México e Peru. Vanessa ainda é reikiana nível II e uma empresária de sucesso no ramo da beleza e estética.

Link da matéria:
http://www.incorporativa.com.br/mostranews.php?id=7880

Autoria e outros dados (tags, etc)

por INESUL às 11:24

Profissionais inseguros: será que é possível exterminar esse problema?

Segunda-feira, 19.03.12

Por Viviam Klanfer Nunes | InfoMoney 

SÃO PAULO – Entre as fragilidades que os profissionais podem apresentar no universo corporativo, está a insegurança. O medo de expor suas ideias, as constantes dúvidas se seu trabalho realmente está bom e o receio de apresentar um projeto podem ser grandes limitadores.

Mas por que alguns profissionais são inseguros? E, mais do que isso, será que é possível exterminar esse problema? De acordo com a psicóloga Raquel Reis, a questão da insegurança pode ser atribuída principalmente a dois fatores: falta de conhecimento técnico e problemas ligados à autoestima.

No primeiro caso, o profissional se sente inseguro, pois acredita – ou realmente – não tem o conhecimento suficiente para desempenhar determinada função. Quando o problema é a autoestima, o profissional, mesmo tendo as competências necessárias, sempre se julga inferior aos demais, não acredita ser bom o suficiente para o cargo e, usualmente, tem problemas para liderar e assumir responsabilidades.

Insatisfação profissional
A insegurança também pode ser reflexo de insatisfação profissional, conforme pontua Raquel. “Quando você está insatisfeito, você não consegue aplicar 100% da sua capacidade intelectual e, portanto, se torna uma pessoa mais insegura”, diz a especialista. Nesse caso, é preciso recorrer a um trabalho de autoconhecimento.

“O profissional deve entender o que gosta e ir atrás disso”, sugere Raquel, lembrando que as escolhas feitas não necessariamente devem ser duradouras. Isso quer dizer que, se o profissional fez uma escolha há alguns anos e agora não quer mais seguir pelo mesmo caminho, vale a pena pensar em mudar, pois só assim encontrará felicidade e satisfação, que vão se reverter em mais segurança na vida profissional.

Como lidar com a insegurança?
A consultora da Right Management, Telma Guido, acredita que o profissional deve observar três aspectos. Primeiro, para tentar deixar de ser um profissional inseguro, assuma o que você é. A insegurança é uma característica, ou seja, é um perfil pessoal. Se você é assim, assuma e tente se desenvolver. Contar com ajuda profissional, como um coach de carreira, ou mesmo buscar uma terapia podem ajudar. Mas você precisa querer e entender que isso é importante para sua vida.

Também é preciso ter bem definido seu plano de carreira. A coach acredita que, quando o profissional sabe o que ele quer, aonde quer chegar e quem ele quer ser, isso faz com que busque desenvolvimento, que vai permitir eliminar parte da sua insegurança. Na prática, se você sabe claramente que quer ser um gerente, você vai atrás de um curso que o tornará mais seguro para assumir essa função. Ou, se você sabe que precisa de um certificado para se destacar na sua área, ao obtê-lo, você também se tornará menos inseguro.

Por fim, novamente um trabalho de autoanalise será importante, mas aqui, para reconhecer suas competências. Muitas vezes, o profissional não se sente seguro, pois não tem as competências que a empresa quer que ele tenha ou a posição que ele está exige.

Link da matéria:
http://www.infomoney.com.br/capacitacao/noticia/2363863-profissionais+inseguros+sera+que+possivel+exterminar+esse+problema

Autoria e outros dados (tags, etc)

por INESUL às 11:15


Comentários recentes

  • Anónimo

    Pessoas são passíveis de corrupção, e isso me enoj...

  • Anónimo

    Porém eu lhe digo Felipa Gui, existem pessoas que ...

  • Nino

    Nem todo mundo ama essa prisão corporativa em que ...

  • Felipa Gui

    Sinceramente pra falar a verdade e pra aprender a ...

  • Katherine

    Oi eu tenho uma dúvida, se eu fui aprovado em um p...






subscrever feeds