Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Agosto 2012

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


Pesquisar

 


O segredo dos campeões

Terça-feira, 28.08.12

Conferencista Roberto Shinyashiki revela quais são as 7 principais características do profissional de sucesso. 


Uma carreira plena não se constrói durante o expediente. O sucesso é feito à noite, nos bastidores. Foi essa filosofia que transformou o menino pobre da baixada santista em Roberto Shinyashiki, médico psiquiatra com doutorado em administração e economia pela Universidade de São Paulo, palestrante de renome internacional e autor de títulos como “Os segredos dos campeões”, “A revolução dos campeões”, “O poder da solução” e “O sucesso é ser feliz”, que venderam mais de seis milhões de exemplares.

Segundo Shinyashiki, é nos bastidores que o profissional de sucessoinveste em sua formação. “Um líder campeão valoriza os fundamentos”, diz o conferencista a uma plateia de profissionais de recursos humanos no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo. Shinyashiki explica que o profissional campeão atinge os seus objetivos porque analisa com clareza as situações-problema, elabora planejamentos estratégicos, entende os meandros do marketing, estuda gestão de negócios.

Em outras palavras, o campeão conhece bem o seu negócio, investe nele na certeza de que vai obter retornos positivos, resolve problemas e, consequentemente, alcança resultados extraordinários. Além disso, mantém o cérebro oxigenado e aprende com outros campeões. “Trabalhe com os campeões. Eles vão te ensinar os fundamentos para você se tornar um deles”, garante Shinyashiki.

Conheça as principais características do profissional campeão, segundo o conferencista.

1. O campeão tem visibilidade
Profissionais de renome têm ideias especiais. Atendem à expectativa do cliente (empresa) porque sabem construir o produto adequado. Estudam propostas, têm posicionamento e sabem o seu valor nomercado. Todos o procuram.

2. O campeão cria histórias
Um simples gesto no trabalho pode eternizar a sua imagem. Profissionais campeões viram mitos, logo são eternizados. Compare a história de Ayrton Senna e Michael Schumacher. São dois campeões de Fórmula 1. Qual deles, porém, é o piloto mais lembrado e idolatrado de todos os tempos?

3. O campeão “invade” o cliente
Quem não é visto não é lembrado. Isso não é problema para os campeões. Eles estão em todos os lugares: na TV, na internet, nos jornais e revistas, na boca do povo. Quando lançam um produto ou marca todos têm acesso, porque é divulgado espontaneamente nas diversas mídias. Os campeões não vendem o produto por si só. Vendem sonho, conforto, segurança. Por isso viram ídolos.

4. O campeão transforma anões em gigantes
Campeão não tem medo de formar campeões. Ele ensina todos os rituais de sucesso aos aprendizes. É seguro de si, motivador, vencedor por natureza.

5. O campeão valoriza os relacionamentos
Por trás do sucesso, acompanham o profissional campeão valores como humildade, companheirismo, cooperação. Ele aplica esses ensinamentos na convivência com a família e com os amigos. Os relacionamentos são a base do seu sucesso e dão energia para superar desafios. Profissionais desprovidos de valores iguais ou similares aos mencionados jamais alcançarão o êxito pleno.

6. O campeão é inovador
Acompanhar as tendências do mercado e aplicá-las como recursos benéficos ao negócio é outra característica marcante no campeão. Este profissional é criativo. Lança produtos inovadores a partir dos seus conhecimentos técnicos, visão empreendedora e macro e das ferramentas que lhes são apresentadas.

7. O campeão aproveita a vida
O profissional de sucesso sabe administrar o tempo. Mantém o equilíbrio entre vida e trabalho. Faz o que gosta: vai à praia, ao cinema, pratica esportes, dedica-se à leitura, ouve música, relaxa. Em suma, o profissional campeão é feliz.

 

Por Rômulo Martins
Fonte:Empregos.com.br

Autoria e outros dados (tags, etc)

O papel dos líderes na retenção de pessoas

Terça-feira, 28.08.12
Por Anderson Rocha

 

Em um mundo caracterizado por tão intensa competitividade, pela inerente necessidade de pressa para vender e comprar, pela inovação brilhante e pela alta qualidade, a menos que se consiga com que as pessoas engajem voluntariamente seus corações, mentes e espíritos - e não somente seus corpos - nunca se chegará lá.
Um aspecto para isso torna-se fundamental: como manter pessoas talentosas nas empresas? 
Infelizmente não se tem dado à devida atenção a esse aspecto tão importante. Nesse contexto a liderança tem um papel decisivo, devendo aprender ao máximo acerca dos anseios dos colaboradores, fazendo perguntas do tipo: o que podemos fazer para mantê-lo conosco? Que espécie de atividades querdesenvolver  em sua carreira no futuro? Obtendo também feedback sobre o ambiente de trabalho e seu estilo gerencial, encorajando as pessoas a ser tão específicos quanto lhes seja possível quanto às origem de seu descontentamento.
Os líderes também devem tomar bastante cuidado com os sinais prematuros de desinteresse, tais como: uma mudança no comportamento, tal como chegar atrasado e sair mais cedo, uma diminuição no desempenho, queixas repentinas de uma pessoa que não costumava se queixar, afastar-se dos outros, falando de esgotamento.
É importante que a liderança detecte prematuramente alguns desses sinais e organize imediatamente um encontro em particular com o colaborador, explicando o que foi notado e pergunte-lhe se existem preocupações mais profundas por trás das queixas ou da mudança de comportamento. Diga, caso seja sincero, o quanto você o estima, e peça ajuda para mudar a situação.

O ser humano deve ser visto e valorizado. Infelizmente ainda existem muitos discursos e poucas ações práticas em relação à valorização das pessoas. Sem a participação, o diálogo, o reconhecimento e o estímulo às pessoas, dificilmente se conseguirá obter uma melhoria significativa na qualidade de vida no trabalho e consequentemente um aumento significativo da produtividade. Estudos revelam que o bom relacionamento é mais importante para a retenção de pessoas talentosas do que as políticas amplas da empresa, tais como salários e regalias.
Decisões corretas sobre pessoas exigem conhecimentos de suas individualidades e de como as habilidades de cada um podem ser reconhecidas e utilizadas da melhor maneira.
Produtos e serviços de qualidade decorrem do compromisso pessoal e do prazer de trabalhar. A dignidade no tratamento as pessoas, a abertura nas relações interpessoais, o espaço para a participação e o diálogo são fatores determinantes. As pessoas produzem mais quando se sentem bem. Colaborador feliz quase sempre é igual a aumento de produtividade e mais lucro para todos.
Esse sim é o grande desafio e o diferencial das empresas de sucesso, pois todas as mudanças começam nas pessoas. A principal vantagem competitiva das empresas decorre das pessoas que nelas trabalham. É necessário eliminar o desperdício humano em nossas organizações, especialmente porque sabemos que são as pessoas que determinam o sucesso ou o insucesso de um negócio. O sucesso das empresas é o sucesso das pessoas que as compõem.
O escritor uruguaio Eduardo Galleano, em uma de suas reflexões, diz: cada pessoa brilha com luz própria entre todas as outras. Existem fogueiras grandes e fogueiras pequenas e fogueiras de todas as cores. Existe gente de fogo sereno, que nem percebe o vento e gente de fogo louco, que enche o ar de chispas. O importante é incendiarmos a vida com tanta vontade que quem chegar perto contagia.


Anderson Rocha é professor, palestrante e especialista em desenvolvimentode líderes. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Motivação no Trabalho

Terça-feira, 28.08.12
"Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida"


Um dia, quando os funcionários chegaram para trabalhar, encontraram na portaria um cartaz enorme, no qual estava escrito:

"Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida na Empresa. Você está convidado para o velório na quadra deesportes".


No início, todos se entristeceram com a morte de alguém, mas depois de algum tempo, ficaram curiosos para saber quem estava atrapalhando sua vida e bloqueando seu crescimento na empresa. A agitação na quadra de esportes era tão grande, que foi preciso chamar os seguranças para organizar a fila do velório. Conforme as pessoas iam se aproximando do caixão, a excitação aumentava:



- Quem será que estava atrapalhando o meu progresso ?

- Ainda bem que esse infeliz morreu !

Um a um, os funcionários, agitados, se aproximavam do caixão, olhavam pelo visor do caixão a fim de reconhecer o defunto, engoliam em seco e saiam de cabeça abaixada, sem nada falar uns com os outros. Ficavam no mais absoluto silêncio, como se tivessem sido atingidos no fundo da alma e dirigiam-se para suas salas. Todos, muito curiosos mantinham-se na fila até chegar a sua vez de verificar quem estava no caixão e que tinha atrapalhado tanto a cada um deles.

A pergunta ecoava na mente de todos: "Quem está nesse caixão"?


Acontece que no visor do caixão havia um espelho em que cada um via sua própria imagem.


Moral da História:

Só existe uma pessoa capaz de limitar seu crescimento: VOCÊ MESMO!

Você é a única pessoa que pode fazer a revolução de sua vida. Você é a única pessoa que pode prejudicar a sua vida. Você é a única pessoa que pode ajudar a si mesmo.

"SUA VIDA NÃO MUDA QUANDO SEU CHEFE MUDA, QUANDO SUA EMPRESA MUDA, QUANDO SEUS PAIS MUDAM, QUANDO SEU(SUA) NAMORADO(A) MUDA. SUA VIDA MUDA... QUANDO VOCÊ MUDA! VOCÊ É O ÚNICO RESPONSÁVEL POR ELA."

O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos e seus atos. A maneira como você encara a vida é que faz toda diferença. A vida muda, quando "você muda".


Não sabe-se ao certo o que vem acontecendo com as pessoas, estamos vivendo em uma realidade "nossa", ou seja, em uma verdade que cada um de nós esta construindo. O mundo, as pessoas, tudo está perdendo seu foco. Porque nas empresas seria diferente?

A Grande deficiência do homem enquanto colaborador é não acreditar na sua capacidade, ou, só trabalhar por trabalhar, enquanto nós trabalharmos pensando que o que fazemos é uma obrigação, com certeza vamos ser desmotivados, tristes.

Passamos a maior parte de nossa vida no trabalho, temos que tentar ao máximo fazer dele um local agradável, se você não faz o que gosta, APRENDA A GOSTAR DO QUE FAZ, OU ENTÃO MUDE DE EMPREGO!

Fácil assim? Não claro que não, mas o que será de nós se sempre mantivermos o medo de não tentar?

Vanderlei Moraes
Administrador de Pessoal

Autoria e outros dados (tags, etc)

por INESUL às 12:45

A importância do aprendizado de técnicas de liderança e motivação como competências na minha vida profissional.

Terça-feira, 28.08.12
Por: Evandro Ávila Franco


Acredito que algumas pessoas nascem com atributos e talentosimportantes para liderar, porém se não souberem como usá-los de forma adequada não levaram ninguém a lugar nenhum e a um bem comum a todos.


Saber que é possível aprender e desenvolver técnicas de liderança e motivação já deve ser por si só um agente motivacional. Eu não preciso a vida toda esperar que me digam para que lado seguir, e ser somente os vagões de um trem puxado por uma locomotiva.


Quantas vezes nos aborrecemos com atitudes incoerentes de supostos líderes que comandam com imposições fazendo uma guerra fria com as pessoas. “Líderes” que não tem estratégia, que não pensam no bem comum da empresa, que não tem nenhum tipo de empatia com as pessoas. Indagamo-nos que se fossemos nós a liderar faríamos melhor.


Sorria! Você pode ser o maquinista desta locomotiva, mostrar a direção certa a ser seguida para o bem comum da sociedade e da sua empresa.


Uma boa comunicação que é uma característica importante de um bom líder pode ser dilatada, o primeiro passo é querer, mas, muitos têm dificuldade em se expressar e fazer-se entender, porém está particularidade pode ser estudada e ampliada.


Além disso, dizem por aí que o fato de termos dois ouvidos e uma única boca não são por acaso, vem nos mostrar que devemos mais ouvir do que falar. Vamos fazer um trabalho de reflexão: Imaginem vocês se aquele seu colega de trabalho falante tivesse duas bocas, quão destoante seria e cansativo ouví-lo falar por horas e horas. Brincadeiras a parte, um bom líder ouvi as pessoas, cria empatia com seus liderados, compreende suas necessidades e direciona-os para uma intenção onde todos podem ganhar, empresa e funcionários, num jogo de ganha-ganha.


Quanto a motivação, esta ocorre de dentro do ser humano para fora, ela recebe sim influências externas, mas é uma atitude, é uma ação, uma força interna do nosso organismo que nos impulsiona, nos direciona, que nos faz caminhar, um motor em pleno funcionamento.


Consigo sentir dentro de mim esta força, e gostaria de compartilhar com os senhores, sinto um desejo enorme de aplicar todas as disciplinas estudades em minhas atividades diárias, sejam elas profissionais ou pessoais, anseio muito fazer diferente e desenvolver as especialidades de um líder e poder ajudar as pessoas com ética e profissionalismo, alegria e disposição.


Quero fazer diferente de tudo que já vi e vivi na minha vida profissional, não serei o reflexo de tudo que assisti dos meus supostos líderes, significarei o oposto do que me aborrecia neles e que era alvo de minhas críticas internas que só meu coração conhecia.


Existe um provérbio Chinês que diz: “não podemos passar pela vida sem fazer três coisas, plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro”. Já plantei uma árvore, o livro escrevo diariamente com a minha vida, um filho terei logo mais, e tomo a liberdade poética de acrescentar mais um evento ao provérbio, não podemos passar pela vida sem antes influenciar positivamente as pessoas.


Você também pode caro amigo, antes de ser um Especialista em Pessoas, ser uma Pessoa Especial, lembrando-se sempre que as diferenças não são barreiras e sim riquezas que devem ser exploradas por nós. Amém.



Evandro Ávila Franco: Especialista em Gestão de Pessoas pela Faculdade de Tecnologia de Jahu - FATEC

Autoria e outros dados (tags, etc)

por INESUL às 12:43

Etiqueta corporativa: como agir em diversas situações do dia-a-dia

Terça-feira, 28.08.12

Etiqueta no mundo dos negócios é fundamental. Saber se portar corretamente no ambiente de trabalho é essencial para ser reconhecido dentro de uma empresa e poder aumentar as oportunidades ao longo da carreira. Portanto, é preciso estar atento: em um mercado tão competitivo um bom comportamento pessoal pode ser o diferencial para quem quer se destacar.

Para ser um profissional qualificado é necessário possuir conhecimentos técnicos e profissionais, que envolvem as habilidades e capacidades na execução das atividades, e também conhecimentos pessoais, que envolvem o cuidado com a imagem, a postura e o comportamento diante de outras pessoas. A falta de etiqueta pode comprometer a conquista de um cliente, um grande negócio ou um bom emprego.

A psicóloga Luciana Serafin revela que na vida profissional comportamentos como serenidade, compromisso e ética estão entre os mais valorizados dentro de uma empresa. Por isso o profissional deve prezar por uma conduta que não incomode ou desrespeite os demais, desde a sua maneira de agir e falar até a forma de se vestir. A rotina, o dia-a-dia estafante e as preocupações com metas, eficiência e lucratividade não podem se tornar um empecilho para as boas maneiras.

Atitudes discretas preservam a harmonia do ambiente

No trabalho, a pessoa deve ter acima de tudo discrição em seus atos, pois certas “brincadeiras” ou comentários podem ofender outras pessoas e gerar situações constrangedoras. Nestes casos, a melhor maneira de contornar a situação é pedir desculpas e cuidar para que não ocorram novamente.

As empresas valorizam as atitudes de seus empregados, como a postura e o medo de proceder diante dos obstáculos. Saber agir em momentos difíceis do dia-a-dia representa vantagem competitiva, o que demonstra que o empregado tem um bom senso e está preparado para representar a empresa em qualquer ocasião.

Todas as atitudes que incomodam as pessoas são consideradas falta de respeito e por isso deve haver uma série de cuidados, como por exemplo: não bater o telefone, falar alto, importunar seu colega com conversas e perguntas o tempo todo, entre outros.

Ser elegante em um ambiente de trabalho e bem educado, não significa bajular todo mundo e sim ser cortês, simpático e sociável. Isto certamente facilitará a comunicação e tornará o convívio mais agradável e saudável.

Cuidar da aparência é imprescindível

A maneira de se vestir influencia de forma decisiva na relação profissional. A utilização de roupas inadequadas pode fazer com que as pessoas se sintam pouco à vontade ao seu lado e mantenham distância.

A roupa depende muito do ambiente de trabalho que o profissional atua, pois existem empresas com ambientes mais formais e outras nem tanto.

Há empresas que criam códigos sobre como cuidar da aparência, entretanto, as que não tem, os profissionais devem ter um senso crítico e observar como os colegas e executivos se vestem e assim ter uma base do que pode ser usado.

Roupas limpas e discretas, corte de cabelo, barba feita e unhas bem cuidadas, fazem parte da etiqueta, não significa ser obrigado a seguir as tendências da moda, mas a maneira de se apresentar demonstra elegância e respeito.

A comunicação direta e cortês gera mais resultados

O profissional deve saber se portar corretamente com clientes ou colegas de trabalho, seja pessoalmente, por e-mail ou em ligações. A linguagem é fundamental, mas deve haver também educação, cortesia e objetividade.

Encontros profissionais

Em um encontro profissional é importante agir com naturalidade e se apresentar atencioso. Dicas simples como falar “Como vai?” ou utilizar a expressão “Muito prazer” são infalíveis. O que deve ser evitado são ações que demonstrem intimidade como dar beijos, abraçar ou dar tapinhas nas costas, isso pode acabar demonstrando uma atitude antiprofissional. Ao se despedir o ideal é estender a mão direita com firmeza (sem exagero) e acompanhar o cumprimento com um sorriso amigável. Se for apresentar alguém, o importante é informar algo além do nome e cargo, o que ajuda a colocá-la dentro do contexto, facilitando a conversação. Os homens sempre devem se levantar para cumprimentar. As mulheres, não precisam.

Falar bem

A maneira de falar é uma das habilidades essenciais no mundo dos negócios. Os profissionais devem tomar cuidados com erros gramaticais, de pronúncia e de vocabulário, isso acaba gerando dificuldades em persuadir os outros a aceitar suas idéias ou a comprar seus produtos. Falar muito também atrapalha reuniões de negócios, pois deixa o interlocutor sufocado, sem conseguir expor suas idéias.

No ambiente de trabalho para ter uma boa convivência, não se deve exagerar no tom de voz e maneirar nos gestos.

Ao telefone

O uso do telefone para o fechamento de negócios é fundamental no mundo corporativo, porém seu mau uso pode significar perda de tempo, de oportunidade e de dinheiro.

A melhor maneira de fazer uma ligação é se identificar, explicar o motivo do telefonema e perguntar se há disponibilidade para conversarem. A conversa deve ser com uma voz clara e alegre. O ideal é focar somente no assunto, se mostrar interessado, saber ouvir e demonstrar entusiasmo, estimulando assim o outro a falar.

E-mail

A eficiência no ambiente virtual, também é de extremo valor. A linguagem deve ser direta, simples, objetiva, clara, educada, e sem erros de português e digitações.

A formatação também pode influenciar a maneira que o leitor irá interpretar a informação, por isso deve ser evitado o uso de letra maiúscula, pois passa a mensagem de que estaria gritando e o excesso no uso de cores, fontes diferenciadas, pontos de exclamação, cifrões e afins. O e-mail da empresa também não deve ser usado para fins pessoais.

comportamento em reuniões é decisivo

As reuniões de negócio são sempre boas para o profissional expor o seu comportamento. Há algumas regras básicas a serem seguidas como:

· Não se atrasar;

· Usar roupas formais;

· Memorizar o nome das pessoas presentes na reunião;

· Utilizar a forma de tratamento mais adequada (Senhor, Senhora, Doutor, etc.);

· Sentar-se de maneira correta;

· Evitar expressões ou gestos bruscos;

· Evitar falar sobre assuntos pessoais;

· Focar no tema da reunião;

· Responder as perguntas e expor suas idéias quando tiver certeza do assunto;

· Cuidar para que ninguém sinta que está impondo algo;

· Estar preparado para ouvir as idéias de todos;

· Planejar o que vai falar;

· Respeitar o cronograma previsto;

· Não utilizar ou deixar o celular ligado;

· Caso a reunião comece atrasada, explique que precisará sair um pouco antes.

A troca de cartões em geral é feita no inicio da reunião. Uma prática comum é deixá-los à vista, caso o nome de uns dos participantes lhe escape. Quando o encontro é informal, os cartões são trocados ao fim da reunião. A troca de cartões deve acontecer quando houver interesse para um contato futuro e jamais deve ser feita quando estiverem comendo.

Eventos empresariais também exigem moderação

Em eventos promovidos pela empresa, o cuidado deve ser praticamente o mesmo do dia-a-dia no trabalho. Apesar de o ambiente ser mais descontraído, o profissional não deve achar que é diversão, evitando assim os excessos, como informalidade demais, falar alto, beber demais, entre outros. “Normalmente para almoço de negócios, caso você esteja convidando, o ideal é sempre perguntar ao convidado se ele tem alguma preferência. Caso contrário procure um bom restaurante à la carte, com uma boa variedade de pratos, pois agradam todos os gostos”, comenta Luciana.

Fechando negócios em qualquer lugar

Com um mercado cada vez mais competitivo, empresas apostam em um bom atendimento para fechamento de negócios importantes. A eficiência e a elegância estão em alta. Com isso a etiqueta corporativa virou uma questão de sobrevivência social e profissional.

Um erro, ou distração, comum entre os profissionais é achar que a etiqueta corporativa só se limita ao país ou cidade onde a empresa está inserida. Entretanto a forma de negociar varia de país para país e até de cidade para cidade. Por isso, o profissional deve estudar os costumes locais e a maneira que os anfitriões agem em reuniões de negócios para não cometer nenhuma gafe.

Dica

livro “Nem só de marketing… Postura e comportamento no mundo corporativo”, escrito por Roberto Teixeira da Costa e Susanna Sancovsky, revela gafes e deslizes que podem atrapalhar o fechamento de um negócio importante. No livro é destacado o costume que certos brasileiros têm de adiar projetos, atrasos e improvisos que acabam impedindo certas negociações com estrangeiros.

Saber como agir em diferentes situações do dia-a-dia, como a hora certa de falar e escutar fazem parte da etiqueta profissional. Essas pequenas “regras” fazem a imagem do profissional se destacar e assim ser valorizada.

 

* Luciana Serafin – Psicóloga, pós-graduada em Administração de RH e Planejamento e Gestão de Negócios

Autoria e outros dados (tags, etc)

por INESUL às 12:41

Entraves da Criatividade e Inovação – Sua ideia “faz sentido”?

Terça-feira, 28.08.12

A alegação “de que não se constrói nada sozinho”, senso comum entre pessoas e organizações, nada mais é que um clichê pouco aplicado na prática. Muitas empresas nascem com capacidade de inovar, mas, poucas vivem disto. A ideia da criatividade “como uma fantasia” induz empreendimentos de grande potencial a deixarem de investir no processo criativo que demanda atenção, trabalho árduo e um exercício constante de tentativa e erro. É preciso reaprender o pensar e eliminar entraves da criatividade e da inovação.

Vivemos na era em que reconstruir o “pensamento crítico” se tornou indispensável para a elaboração de soluções eficientes e eficazes. Um fator sufocado por comportamentos de uma sociedade moldada e manipulada para a inconsciência de sua própria destruição. Quando se trata de MPEs – Micro e Pequenas Empresas, muitas vezes, a tendência destes padrões estarem incutidos nos modelos de gestão, chega a ser maior, o que demanda investimento em capacitação do empreendedor e das demais lideranças, principalmente.

À medida que se vence este desafio é preciso estar atento a outro ponto. O fator criatividade está diretamente ligado à liberdade do pensar e lideranças com alto grau de senso crítico podem ser a fonte do bloqueio de grandes ideias, o que requer gestores mais preparados, receptivos e ponderados. A percepção fantasiosa de que ser criativo é um dom ou está ligado à arte, limita o fator inovação por criar fantasmas de incapacidade nas pessoas e de ineficiência dos processos.

Uma situação, mais comum em organizações de maior porte, vem sendo aplicada em MPEs, frequentemente. Trata-se de premiações, concursos e/ou incentivos financeiros. Estratégia que acaba migrando para a pressão por resultados imediatistas, devido à preocupação demasiada com os lucros, à falta de planejamento estratégico e qualificação das lideranças, o que afeta, consideravelmente, o processo de inovação.

 

Um cenário que provoca “a queima de etapa do pensar, analisar e criar” soluções inovadoras para produzir “incubadoras de resultados instantâneos”, de baixo desempenho organizacional, com produtos e serviços que acabam por custar caro para as empresas e são incapazes de gerar destaque e vantagem competitiva no mercado.

Outro grande entrave da inovação é a resistência à mudança, o medo de arriscar, de pensar e agir diferente de uma maioria que aderiu ao senso comum do “não posso”. A criatividade não deve ser pensada como uma atividade presa à organização, mas, como uma ferramenta “sem paredes”, sem limites, que pode ser ensinada e aprendida, que deve transformar pessoas para que estas sejam capazes de proporcionar mudanças ao seu mundo e elaborar soluções surpreendentes para o meio. Algo que deve ser construído junto a cada membro, respeitando suas particularidades, para produzir evoluções conjuntas do grupo que compreende a organização.

Neste vídeo você confere 20 dicas simples e rápidas para ajudar a eliminar entraves e inspirar práticas de inovação no dia-a-dia.

 

Estimular a criatividade é uma maneira de organizar as ideias da empresa, deixá-las mais claras, melhorar a autoestima individual e coletiva. O momento é de olhar para si com outros olhos, repensar produtos e serviços condizentes com o ambiente interno e externo ao empreendimento, rever as práticas, os propósitos, o patamar onde se está hoje com a atuação do presente e mudar em prol de algo mais sólido e duradouro, com revisão e aprimoramento contínuo. As pessoas compram soluções, não ofertas vazias e incondizentes à uma realidade.

Para você, deixo apenas uma reflexão: pare, pense e pergunte a si mesmo – sua ideia “faz sentido” e para quem? A resposta a esta questão é o guia que vai lhe dizer se deve continuar a trajetória ou buscar uma nova rota para o seu negócio.

 

  

Ideia de marketing

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por INESUL às 12:28


Comentários recentes

  • Katherine

    Oi eu tenho uma dúvida, se eu fui aprovado em um p...

  • Saulo

    Sera que os profissionais de RH leram esses coment...

  • Anónimo

    INCRÍVEL QUANDO VOCÊ ESTÁ EM UMA ENTREVISTA CONTAN...

  • Anónimo

    Fui em uma empresa para uma entrevista uma certa v...

  • Luis

    É crescente a falta de ética nos recursos humanos ...






subscrever feeds