Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2013

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


Pesquisar

 


O Cavalo Morreu. E Você com Isso?

Quinta-feira, 23.05.13

Existe uma história de autoria desconhecida que chamou minha atenção tempos atrás. Segundo a história, os índios norte americanos da tribo Dakota sempre buscaram transmitir, para cada nova geração da tribo, um importante ensinamento: “Quando você descobre que está montando um cavalo morto, o melhor a fazer é desmontar”.

A história trata de nossas reações assim que percebemos estar montados sobre um “cavalo morto”. Elas vão desde a recusa a desmontar do bicho até a insistência em soluções improváveis, ilustradas aqui com atitudes que revelam muito de nós.

Alguns de nós, aqueles de perfil mais prático, decidem rápido pela troca dos cavaleiros que montam o cavalo morto. Já os mais intolerantes ameaçam o cavalo com castigos e demissão. Os mais investigativos criam um comitê para estudar o cavalo. Há ainda uma parcela conformista, que afirmam que “esta é a maneira como sempre montamos este cavalo, logo não há porque mudar”. No caso de insistência, acabam contratando terceiros para montar o cavalo morto. Outros chamam consultores especializados em motivação para cavalos mortos.

Tem também aqueles mais tecnológicos, que desenvolvem um sistema que torne os cavalos mortos mais rápidos. Os que vêem a empresa apenas pela ótica do lucro, são categóricos em afirmar que cavalo morto é melhor porque é mais barato. Os mais analistas revisam os requisitos de avaliação de desempenho dos cavalos mortos, classificando-os como junior, pleno e sênior. Outros, mais ligados em processos, mudam a visão operacional e declaram que o cavalo não está morto, apenas em um período de baixa demanda. Os mais cartesianos enfileiram vários cavalos, todos mortos, tentando aumentar a velocidade.

Por último vem alguém com alto poder de decisão que, frente ao dilema sobre o quê fazer com o cavalo morto, acaba promovendo-o a diretor.

A fábula Dakota explica alguns dos dilemas da vida de profissionais e organizações: não adianta tentar enganar si próprio, principalmente quando o ambiente profissional ou o mercado já deram sinais suficientes de que é preciso mudar. O melhor a fazer é descer logo do cavalo morto e encarar a oportunidade da mudança, com todo o frio na barriga que ela proporciona a quem continua vivo.

Sobre o autor:

Eduardo Zugaib: é escritor, profissional de comunicação e marketing, professor de pós graduação, palestrante motivacional e comportamental. Ministra treinamento nas áreas de Desenvolvimento Humano e Performance Organizacional.

site: www.eduardozugaib.com.br

Autoria e outros dados (tags, etc)

por INESUL às 16:30


Comentários recentes

  • Anónimo

    Porém eu lhe digo Felipa Gui, existem pessoas que ...

  • Nino

    Nem todo mundo ama essa prisão corporativa em que ...

  • Felipa Gui

    Sinceramente pra falar a verdade e pra aprender a ...

  • Katherine

    Oi eu tenho uma dúvida, se eu fui aprovado em um p...

  • Saulo

    Sera que os profissionais de RH leram esses coment...